OpenStreetMap Forum

The Free Wiki World Map

You are not logged in.

#76 2013-11-13 14:46:43

Fernando Trebien
Member
From: Porto Alegre, Brazil
Registered: 2013-05-18
Posts: 866

Re: Propostas para classificação de vias

É, seria meio engraçado se isso acontecesse. tongue

Bem, nesse caso, você pode atribuir a categoria "primary", "secondary", "tertiary", "residential" ou até "living_street" baseado na velocidade calculada para o percurso. Na ausência da informação de tempo, você pode sempre atribuir a classe mais lenta (abordagem conservadora). Acho que teria um efeito bem similar.

Offline

#77 2013-11-13 20:19:41

Fidelis Assis
Member
From: Niterói-RJ, Brazil
Registered: 2013-08-08
Posts: 36
Website

Re: Propostas para classificação de vias

Eu já havia colocado o default como unclassified justamente para reduzir a prioridade do trecho. Descobri agora que, para balsas, o conversor atribui velocidade máxima = 5 km/h de secondary para baixo e 20km/h para primary e trunk. Vou alterar para 8 que é o valor sugerido para balsas na documentação do Polish Format (formato intermediário para conversão: OSM => PFM => 7w). Mas permanece o pequeno inconveniente de alarmar excesso de velocidade dentro da balsa. Vou ver com o suporte da Navikey como evitar.

Offline

#78 2014-07-07 21:25:40

Fernando Trebien
Member
From: Porto Alegre, Brazil
Registered: 2013-05-18
Posts: 866

Re: Propostas para classificação de vias

Repostando uma sugestão que surgiu na lista sobre como classificar as vias trunk. A sugestão é a seguinte:

Gabriel Teixeira wrote:

O melhor então seria classificar uma trunk como sendo uma rodovia duplicada ou não que possui a preferencial sobre um trecho longo (pelo menos 300km seria o ideal)

Que mais adiante foi seguida por:

Gabriel Teixeira wrote:

Se a dúvida é sobre a rodovia ser pavimentada ou não todas as rodovias não pavimentadas devem ser classificadas no máximo tertiary ou unclassified ou track dependendo do estado da via.

Eu acho que essa idéia pode fazer algum sentido sim, por isso resolvi trazê-la para cá para ouvir as opiniões. Essa proposta tornaria o nosso mapa mais similar ao dos países vizinhos do Brasil, dando uma continuidade que talvez faça algum sentido.

Pontos a considerar:

1. A classificação da via afeta a renderização, particularmente afeta em quais níveis de zoom ela vai ser mostrada. Em vários estilos (o padrão, o Transport, e o Humanitarian) tanto trunks quanto motorways aparecem no mesmo nível. No OpenCycleMap, as trunks aparecem 1 nível (6) depois das motorways (nível 5). No MapQuest Open, apesar de aparecerem juntas, as trunk aparecem com bem pouca evidência nos dois primeiros níveis. Em todos eles, as primárias aparecem só em níveis maiores. Dois deles (o Humanitarian e o Transport) mostram primárias e secundárias a partir do mesmo nível, e os demais mostram apenas 1 ou 2 níveis além.

1.1. As características que escolhemos para as motorways raramente são questionadas, a questão principal é sobre a diferenciação entre primárias e trunks. Atualização: parece que não é bem assim.

2. A classificação da via afeta o roteamento somente se estiver faltando a etiqueta maxspeed. Nesse caso, a classificação é usada para "estimar" a velocidade da via. Sistemas de roteamento diferentes fazem uma estimativa diferente, e por isso mudar a classificação esperando alterar o roteamento à seu próprio gosto acaba sendo um problema pra todo o mundo (já que cada um usa seu próprio sistema de roteamento, com estimativas diferentes). Fazer isso é então considerado "mapear para a aplicação" e não é boa prática. Por fim, um mapa com a etiqueta maxspeed definida corretamente em todas as vias e com a classificação definida de forma aleatória ainda produzirá rotas coerentes.

3. É bem possível que a classificação afete alguma outra aplicação, tal como a geração de estatísticas a partir do mapa. Eu desconheço outras aplicações, mas é possível que existam.

4. A classificação no Brasil é especialmente problemática (comparando com outros países) devido à grande variabilidade nas condições das vias. Além disso, a noção de "importância" é meio indefinida. Uma via que atravessa uma grande distância pode ter pouco tráfego e estar em péssimas condições, enquanto que uma via curta pode estar em perfeitas condições (ou não) e ter tráfego intenso porque conecta duas grandes cidades e, por essa razão, ser mencionada com uma frequência muito maior. Uma via que passa pelo meio de uma cidade em baixa velocidade pode ser um trecho de uma via importantíssima para alguma finalidade regional (circulação de produção industrial, circulação de civis, turismo, ciclismo, atividade militar, etc. etc.) mas não ser tão importante para outra finalidade.

5. Por causa das diferentes finalidades, pessoas diferentes frequentemente têm opiniões muito diferentes sobre a classificação adequada de uma certa via. Se não houver uma recomendação geral que expresse quais são os principais fatores ao avaliar a "importância" da via, teremos guerras de edição.

6. Uma boa recomendação geral deve tentar acertar a maioria dos casos e tentar deixar poucas exceções incorretas a serem justificadas individualmente. Ou isso, ou teremos que discutir e votar rodovia por rodovia e estrada por estrada, caso a caso. De preferência, essa recomendação deve ser fácil de avaliar e, portanto, de exigir dos mapeadores que se aventuram a mudar classificações. É inviável escrever uma dissertação sobre cada via só para decidir a sua classificação, quase ninguém leria intermináveis discussões sobre como classificar uma via específica.

7. Uma reclamação comum é quando a classificação se alterna ao longo da mesma via. Alternar pode até ser útil para o usuário final (caso a classificação esteja atrelada a alguma característica específica da via - como se é ou não pavimentada), mas prejudica a legibilidade do mapa. Claro, é importante também definir em quem condições a classificação pode se alternar. Uma possível situação é quando uma rodovia passa por dentro de uma cidade - ou, mais especificamente, quando vias da cidade compõem o sistema da rodovia, apesar de serem vias urbanas típicas.

8. Outra possível reclamação é a geração de "pontas soltas", ou seja, vias importantes/rápidas/com tráfego intenso que parecem acabar no meio do nada. Normalmente é esperado que uma via importante comece e termine em outras igualmente importantes ou mais importantes (isso é o que dá ao sistema uma noção de "hierarquia"). Mas é provável que haja exceções. E levar essa regra muito ao pé da letra também vai logo expor casos em que seriam necessários vários níveis (mais do que o que temos hoje) para expressar a hierarquia das vias.

9. A etiqueta motorroad, geralmente associada a trunks e primaries, não faz muito sentido no Brasil. Aqui o máximo que temos é uma situação onde bicicletas não podem, à priori, circular em rodovias sem acostamento (Art. 244, § 1º do Código de Trânsito Brasileiro) e talvez algumas situações muito específicas onde veículos agrícolas e de tração animal não são permitidos também (mas é necessário ter sinalização indicativa no local).

Opiniões minhas relacionadas à opinião do Gabriel:

A. Para a classificação urbana, a preferência entre as vias sugere a sua hierarquia. Então talvez (talvez!) esse critério seja aplicável às rodovias. A maior diferença entre as vias urbanas e as intermunicipais é que as intermunicipais possuem longos trechos sem obstruções frequentes (como semáforos ou rotatórias). Eu também mudaria os 300km do Gabriel para 100km, mas isso é um detalhe que pode ser discutido depois.

B. Outra possibilidade é não usar a preferência (que só afeta a circulação em trechos curtos numa rodovia) e sim pensar na distância que a via percorre em linha reta do início ao fim. Isso pode gerar confusão em alguns casos, especialmente quando a via faz curvas (caso em que acho que faz mais sentido considerar o percurso em linha reta e não o percurso total; um caso desses seria o de rodovias circulares contornando cidades) e quando se conecta a outras vias (caso em que a via de conexão tem uma importância mais local do que global). Também pode ser difícil definir onde é o fim da via. Em alguns casos o fim depende muito de para onde o usuário do mapa quer ir.

C. Outra possibilidade é marcar todas as rodovias (vias adminstradas pelo governo federal e/ou estadual) como trunk (ou, onde tiver infraestrutura suficiente, motorway) e deixar primárias, secundárias, etc. para vias que atendem exclusivamente ao sistema urbano.

Eu sinceramente acho que a opção B faz mais sentido ao pensar "genericamente" (ou seja, sem o objetivo de mapear exclusivamente para planejar rotas). Também acho que a opção C é a mais fácil de mapear.

Os pontos 7 e 8 podem juntos produzir uma dúvida. Pelo item 8, uma via só seria trunk se puder ser trunk ao longo de todo o percurso, mas o pelo item 7 pode ser que um trecho seja rebaixado por não ser pavimentado. Nesse caso, acho que faz sentido pensar que existe uma "expectativa de pavimentação" e, com isso, classificar o trecho pavimentado como trunk, apesar de ele não ser inteiramente conectado a vias de classificação igual ou superior (o trecho não-pavimentado).

Last edited by Fernando Trebien (2014-07-10 20:31:51)

Offline

#79 2014-07-09 20:45:36

Nighto
Member
From: Rio de Janeiro
Registered: 2013-05-21
Posts: 181
Website

Re: Propostas para classificação de vias

Fernando Trebien wrote:

9. A etiqueta motorroad, geralmente associada a trunks e primaries, não faz muito sentido no Brasil. Aqui o máximo que temos é uma situação onde bicicletas não podem, à priori, circular em rodovias sem acostamento (Art. 144, § 1º do Código de Trânsito Brasileiro) e talvez algumas situações muito específicas onde veículos agrícolas e de tração animal não são permitidos também (mas é necessário ter sinalização indicativa no local).

O Art. 144, § 1º do CTB é este:

"Art. 144. O trator de roda, o trator de esteira, o trator misto ou o equipamento automotor destinado à movimentação de cargas ou execução de trabalho agrícola, de terraplenagem, de construção ou de pavimentação só podem ser conduzidos na via pública por condutor habilitado nas categorias C, D ou E.
Parágrafo único.  O trator de roda e os equipamentos automotores destinados a executar trabalhos agrícolas poderão ser conduzidos em via pública também por condutor habilitado na categoria B."

[]s

Offline

#80 2014-07-09 21:09:07

Fernando Trebien
Member
From: Porto Alegre, Brazil
Registered: 2013-05-18
Posts: 866

Re: Propostas para classificação de vias

Oops, era pra ser o 244. tongue Consertei.

Offline

#81 2014-07-10 03:59:59

Fernando Trebien
Member
From: Porto Alegre, Brazil
Registered: 2013-05-18
Posts: 866

Re: Propostas para classificação de vias

Abri um tópico especificamente sobre as diferenças entre trunks e motorways.

Offline

#82 2014-07-10 19:10:03

Nighto
Member
From: Rio de Janeiro
Registered: 2013-05-21
Posts: 181
Website

Re: Propostas para classificação de vias

Valeu Fernando smile

[]s

Offline

#83 2015-06-20 17:41:46

adrianojbr
Member
Registered: 2015-02-23
Posts: 32

Re: Propostas para classificação de vias

tenho visto algumas rodovias com o uso da tag source:highway=schema_br2014. todavia, não encontrei qualquer referência (fórum, lista de discussão e wiki) sobre esse esquema, mas tão sobre o de schema_br2013.

onde posse encontrar informações sobre o schema_br2014?

Last edited by adrianojbr (2015-06-20 17:42:27)

Offline

#84 2015-06-20 17:51:11

naoliv
Moderator
From: Brasil
Registered: 2013-05-22
Posts: 239
Website

Re: Propostas para classificação de vias

Acho que deve ser erro de digitação (trocando o 3 pelo 4 ou talvez achando que deve sempre utilizar o ano atual)

Offline

#85 2015-06-21 15:30:40

adrianojbr
Member
Registered: 2015-02-23
Posts: 32

Re: Propostas para classificação de vias

valel, naoliv.

vou corrigir essa tag e conferir a classificação das vias de acordo com o schema_br2013.

Offline

Board footer

Powered by FluxBB